Business Eventos & Serviços

Business Eventos & Serviços

BUSINESS NA MÍDIA – Craques do futebol viram empreendedores após pendurarem as chuteiras

destaque-447615-bola-6-dp20170829_my_0020

Leia matéria publicada no portal DOL no dia 03/09/2017 com a educadora financeira Patrícia Godoy:

Craques do futebol viram empreendedores após pendurarem as chuteiras

 

Jogador de futebol sabe que a carreira é curta e que, invariavelmente, quando chega a hora de se aposentar, é preciso buscar o que fazer para não ficar ocioso e continuar a se sustentar. Afinal de contas, nem todos têm um salário milionário estilo Neymar. E como não há espaço e talento para todos virarem técnicos, saiba que eles também podem ser craques no mundo dos negócios.

Com dedicação, estratégia, liderança e foco, os ex-atletas são capazes de conquistar ainda mais vitórias, ainda que fora de campo. Com esses e mais alguns pré-requisitos, para sair da zona de conforto e investir financeiramente em um negócio e se tornar um empreendedor, ex-jogadores de futebol andam aproveitando as oportunidades que o esporte proporcionou.

Para ter sucesso nos negócios, é preciso de muitas qualidades, e se os ex-atletas eram bons em campo, não poderia ser diferente na hora de fechar a contabilidade. Mas para pendurar as chuteiras e investir tempo e dinheiro em um empreendimento é preciso principalmente esforço.

De acordo com a educadora financeira Patrícia Godoy fazer levantamento de qual o produto, preço de compra e de venda, verificar qual valor praticado pela concorrência é o ideal para se iniciar um negócio. “Levar sempre em conta: aluguel de espaço, conta de luz, água, impostos, alvará, IPTU entre outras despesas que devem ser agregadas. Na realidade, fazer uma pesquisa de mercado. Além disso, fazer uma auto-avaliação de conhecimento para saber se realmente conheço o ramo que quero empreender”, explica a educadora.

Antes de investir o dinheiro garantido dentro das quatro linhas, os jogadores entrevistados a seguir sabiam dos riscos, por isso se preocuparam em planejar. É justamente isso o que indica a educadora, alertando sobre a quantia que pode ser aplicada. “Um dos riscos é de que o valor investido não tenha a rotatividade suficiente para movimentar o produto, fazendo com que você gaste todo o capital investido na manutenção sua e/ou do negócio. Lembre-se: todo negócio tem risco e saber diferenciar as despesas da empresa das despesas pessoais, já traz uma grande vantagem. Contratar uma consultoria é um aliado importantíssimo”, recomenda.A seguir, você vai conhecer exemplos de sucesso de quem brilhou dentro de campo e agora dá um show de bola no empreendedorismo.

Aposentado do futebol desde 2004, Edil também conhecido como Highlander, que foi ídolo no futebol paraense e fez história em Remo e Paysandu, decidiu pendurar as chuteiras profissionalmente e optou por virar microempresário. Quando largou o futebol, o ex-jogador viu que precisava empreender o pouco que os gramados tinham dado de retorno financeiro, e foi o que fez quando montou uma lan house e comprou imóveis para também poder viver de aluguéis.

“O dinheiro que a gente ganhava naquela época como jogador não era muito, mas o pouco que guardei, montei esse empreendimento que é familiar. Aqui meus filhos e esposa também tomam conta e conseguimos tirar o nosso sustento”, frisou o ex-atacante, que antes de meter a cara no empreendimento, decidiu procurar quem entende do assunto, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) que deu todo o suporte necessário para que Edil fizesse o investimento correto. “Fiz um curso no Sebrae e lá fui orientado a abrir a minha empresa e hoje estamos aqui, há 15 anos no mercado”, pontuou.

A preocupação não foi apenas em investir o dinheiro de forma correta, mas também de onde atuar para ter o melhor lucro possível. “Não queria ser rico, apenas queria um bom local para poder tirar o sustento da família, por isso, antes de ver esse ponto onde estamos hoje, que é na Pedreira, eu fiz uma pesquisa e vi os locais que ofereciam esse serviço aqui perto e como eles funcionavam. Foi um investimento de R$ 100 mil”, relembra Highlander, que atualmente também investe em terrenos para futuras plantações de açaí. “Sei que isso ainda não vai me dar retorno, mas futuramente, com certeza”.

Dico, de ex-goleiro a varejista

Conhecido no meio do futebol por principalmente ser muito dedicado no que fazia, o ex-goleiro do Clube do Remo, Frederico Neto, mais conhecido como “Dico”, entrou para o mundo dos negócios assim que pendurou as chuteiras. Há 30 anos trabalhando no ramo de alimentos, há dois ele resolveu montar um varejo no bairro do Tapanã, em Belém. Mas quem vê uma loja enorme dentro de um bairro periférico não imagina o planejamento que foi feito antes dele colocar a primeira lata de leite à venda.

“Antes de investir nessa loja, nós passamos quase um ano planejando. Vendo quantas pessoas moram aqui, qual seria o fluxo de possíveis clientes, qual seria o nosso público, além do estilo de loja que eu deveria montar”, pontuou Dico, contando ainda que não ganhou muito dinheiro jogando futebol. O ex-atleta aponta a postura que tinha dentro de campo na década de 1970 como uma das maiores oportunidades para o ramo que atua hoje.

“A minha postura dentro do esporte foi o que mais me proporcionou trabalhar como empreendedor, porque eu sempre fiz tudo com seriedade e quando fui para o comércio continuei fazendo a mesma coisa. Não tenho restrição nenhuma de crédito no Brasil hoje, porque a gente paga tudo em dia, fazendo tudo corretamente. E como eu fiquei muito conhecido no esporte por treinar muito e ser muito dedicado, isso abriu as portas para mim”, diz.

APOIO EM FAMÍLIA

Dico tem o apoio do filho no gerenciamento dos negócios e diz que quer ampliar o empreendimento, mas sabe que o processo de pesquisa para a expansão dos negócios deve ser feito com planejamento. “Não chego a buscar ajuda com especialistas, porque já tenho uma noção comercial. Está no sangue, e inclusive, meu filho terá que honrar todo esse legado”, avisa.

Dicas para o negócio dar certo

– Levantar qual produto se quer trabalhar
– Preço praticado pela concorrência
– Quantidade da rotatividade do produto para alcançar a receita necessária
– Verificar o bairro onde o negócio será instalado
– Público alvo pretendido e outros itens necessários para o sucesso do negócio.

(K.L. Carvalho/Diário do Pará)

Link da matéria: http://www.diarioonline.com.br/esporte/para/noticia-447615-craques-do-futebol-viram-empreendedores-apos-pendurarem-as-chuteiras.html